Nexos Latinos: Política e Estado em perspectiva

Meire Mathias, Nicolle Montalvão, Rodolfo Sanches e Anderson Sabino (orgs)

Preço normal R$ 45,00

Sumário

Apresentação | Marcos Del Roio

PARTE I

As formulações teóricas neoliberais entre o “subversivismo” e a condição de Estado: esboço para uma análise gramsciana

Rodolfo Sanches

Política internacional na América Latina e a transitoriedade da Comunidade dos Estados Latino-Americanos e Caribenhos (CELAC)

Meire Mathias

Aliança para o Progresso: ponte para o “americanismo” na América Latina durante o auge da Guerra Fria

Pedro Carvalho Oliveira

Proibicionismo, Guerra às Drogas e hegemonia: da importância da “questão das drogas” na manutenção do Estado Moderno

Allana Facchini

Feminismo e Revolução: o avanço neoliberal na América Latina e seu impacto na luta das Mulheres Sandinistas

Nicolle Montalvão

La Cámpora: direcionamento político e econômico

Anderson Sabino

PARTE II

Os princípios da política externa brasileira como mecanismos de hegemonia na inserção internacional

Talita Martinelli Relações bilaterais: Brasil x Paraguai e suas inflexões

Johny Henrique Magalhães Casado

 O Ministro das Relações Exteriores como intelectual orgânico: formulação e direção

 Beatriz Machado Lima

 Projeção do Estado e internacionalização do capital brasileiro na América Latina durante os governos Lula (2003-2010)

 Cássius de Brito

Nota - Pandemia e crise do multilateralismo- GPPEAL

Autoras e autores

 

Os textos que integram a coletânea derivam de pesquisas concluídas que, de uma maneira ou de outra, entrecruzam em um tema indicativo à América Latina e o uso de categorias gramscianas. Dito de outra forma, os estudos apresentados, se propõe a compreender a América Latina sob a perspectiva de Antonio Gramsci. Considerando que nossa realidade histórico-social-cultural é a latino-americana, o léxico é marxista, na particularidade do campo categorial gramsciano.

Temos que, o passado de exploração colonial está nas raízes da América Latina. O extermínio dos povos originários - quando não escravizados - e a escravização dos povos africanos igualmente constituem as raízes e o passado da região que fora ocupada, mormente por espanhóis, franceses holandeses e portugueses.

Igualmente, consideramos que a luta pela terra e pelo trabalho fundam a história da formação do Estado-nação na região.  Além disso, no transcorrer dos séculos, a incorporação dependente das nações latino-americanas ao espaço econômico, cultural e político das nações capitalistas hegemônicas reiterou nossa posição periférica, que necessariamente deve ser compreendida no contexto dialético de nossa condição, dependente e subalterna.

Sob o prisma da crítica, considera-se que a diversidade latino-americana aparece no Estado nacional como ideologia: colorida, folclórica e midiática. Contudo, encobre as formas de Estado e as repetições do autoritarismo, do rebaixamento das ações estatais socialmente orientadas e o fato de que a institucionalidade democrática burguesa, incorpora aspectos da institucionalidade autoritária dos períodos de regime militar, cunhando democracias restritas.

Não por acaso, adota-se como pressuposto que as relações externas constituem uma determinação essencial para a compreensão da questão nacional, pois, essa última, reflete as contradições no nexo das relações interno x externa de cunho social, econômico, político e cultural.

No pensamento de Gramsci localizamos a centralidade da política sob ponto de vista da periferia e das classes subalternas. Na América Latina estão postas as condições de dominação, de expropriação imperialista e subalternização da periferia. Todavia, no campo das disputas hegemônicas, no contexto do desenvolvimento desigual e combinado do capitalismo, faz-se urgente e necessário a compreensão crítica de nós mesmos, latino-americanos, para orientar as lutas em direção de um projeto societário alternativo. Que presente a publicação inspire reflexões e se some na construção da práxis!

 

Meire Mathias, Nicolle Montalvão, Rodolfo Sanches e Anderson Sabino (orgs)


Tamanho: 14,8x21cm

Número de páginas:  378

Ano de lançamento: 2021