Escravidão e dependência: opressões e superexploração da força de trabalho brasileira

Marcela Soares

Preço normal R$ 55,00

O que pode explicar, em pleno século XXI, a permanência da escravidão moderna que se tonou parte constitutiva da tragédia brasileira? Como é possível que, em plena era do trabalho digital e informacional, dos algoritmos, inteligência artificial, big data, internet das coisas, 5G etc, a aberração da escravidão do trabalho persista?

É exatamente para ajudar a desvendar essa realidade que Marcela Soares oferece seu estudo. Sua explicação orienta-se pela análise histórica que estruturou a miséria brasileira. País que se gestou a partir do dito “Descobrimento” (quando o correto seria falar em invasão, massacre e devastação).

Foi durante o processo de colonização que se gestou uma sociedade senhorial, escravista, patriarcal e subordinada que se constituiu destruindo o trabalho autônomo e comunal presente nas atividades indígenas. E o substituiu pela escravização dos povos africanos que foram brutalmente transferidos de seu mundo para a nascente colônia.

Ricardo Antunes - UNICAMP

 

____

Sumário

 

Prefácio - Adrián Sotelo Valencia

 

Apresentação

 

Capítulo I. Escravidão contemporânea no Brasil

1.1. Breve histórico do combate à escravidão contemporânea

1.2. Algumas expressões da escravidão contemporânea no Brasil

1.3. A escravidão contemporânea no Brasil e suas tipificações

Servidão por dívida

Condições degradantes de trabalho

Jornada exaustiva

Trabalho forçado e sem alternativas

1.4. Conclusões do capítulo

 

Capítulo II. Da escravidão à superexploração: componentes histórico-estruturais da força de trabalho

2.1. Particularidade latino-americana: o processo de mercantilização do trabalho no Brasil

2.2. Capitalismo dependente brasileiro: precariedade e superexploração da força de trabalho

2.3. Opressões e superexploração da força de trabalho brasileira

2.4. Conclusões do capítulo

 

Capítulo III. A persistência de formas contemporâneas de escravização no Brasil

3.1. Contrarrevolução e contrarreformas

3.2. Expansão, pulverização e controle total: impactos nas condições de trabalho

3.3. Trabalho escravizado contemporâneo ou condições estruturais da exploração da força de trabalho no Brasil?

3.3.1. Superexploração da força de trabalho e escravidão contemporânea no Brasil

3.4. “Novas” e “velhas” modalidades de trabalho: a platafor-mização do trabalho

3.4.1. Entre o ganho e o game

3.5. Conclusões do capítulo

 

Capítulo IV. Uma antítese à escravidão contemporânea

4.1. Desenvolvimento desigual: direitos humanos e os determinantes ontológicos do capitalismo

4.2. A “agenda” mistificada da precarização

4.3. Caminhos para a dignidade do trabalho

 

Referências

 

Sobre a autora

 

___

Sobre a autora

Marcela Soares é bacharel, mestre e doutora em Serviço Social pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. Estágio pós-doutoral em Sociologia do trabalho na Universidade Estadual de Campinas. Professora da Escola de Serviço Social e do Programa de Pós-graduação em Serviço Social e Desenvolvimento Regional da Universidade Federal Fluminense.

 

___

Ano de lançamento: 2022

Tamanho: 16x23 cm

Número de páginas 353

ISBN: 978-85-53104-52-9