200 anos de Karl Marx e os movimentos da classe trabalhadora do lado de cá

Zuleide S. Silveira Luiz Claudio Duarte (orgs.)

Preço normal R$ 38,00

“200 anos de Karl Marx e os movimentos da classe trabalhadora do lado de cá” é um livro comemorativo em diversos aspectos. Primeiramente porque a obra festeja uma data importante, que nos faz lembrar o nascimento de um dos mais influentes pensadores da humanidade. Neste sentido, é preciso ativar nossa memória, individual e coletiva, para que não esqueçamos das seminais contribuições do pensador alemão. Especialmente quando nos convida para materializar utopias e reconhecer a necessidade da vida humana em plenitude. Sem dúvida, esses são horizontes fundamentais para que superemos o individualismo pálido e a falta de empatia com o outro. Devemos sempre nos alegrar com a construção de existências mais solidárias e fraternais.


Por sua vez, o livro também celebra o trabalho político e intelectual colaborativo, pois é fruto dos esforços do Grupo de Pesquisa Estado, Trabalho, Educação e Desenvolvimento: pensamento crítico latino-americano e tradutibilidade de Antonio Gramsci (GPETED) e do Laboratório de História do Poder e das Ideologias (LAHISPI). Em novembro de 2018, eles realizaram o II Seminário Estado, Trabalho e Desenvolvimento: 200 anos de Karl Marx e o pensamento latino-americano, que ocorreu na Faculdade de Educação da Universidade Federal Fluminense e reuniu intelectuais, professores, estudantes e ativistas brasileiros e estrangeiros. Alguns textos discutidos no evento compõem a publicação, o que reforça o espírito coletivo daqueles dois grupos.


O livro, por fim, ainda festeja a defesa do pensamento crítico, da universidade pública e da pesquisa científica em tempos bastante adversos e obscuros. Não bastasse essa ousadia, “200 anos de Karl Marx e os movimentos da classe trabalhadora do lado de cá” impõe outra. Apesar de o atual ambiente político-ideológico desqualificar o marxismo como algo “superado”, a obra utiliza a economia política, a luta de classes e o materialismo histórico dialético para propor interpretações inovadoras e acuradas sobre a América Latina. Para atingir esse resultado, os organizadores não impuseram limites e ortodoxias aos autores, que expressaram livremente tanto suas interpretações marxianas quanto suas simpatias ou filiações marxistas.

 

Tamanho 14,8x21cm

295 Páginas

 

Sumário

Prefácio

 

Apresentação

 

Parte 1– Projetos Educacionais e Dinâmica Social

 

Educação Escolar Indígena no Rio de Janeiro: um balanço crítico pós-golpe

Domingos Nobre

 

O Espaço está na História da Educação, mas a Geografia não: ferramentas teórico-metodológicas para um diálogo possível

Giam Carmine Cupello Miceli

 

A Educação Profissional em Moçambique: um projeto pautado no protagonismo de empresas brasileiras

Joana D’Arc Vaz

 

Parte 2 – Classe e Consciência de Classe

 

Reflexões sobre a Relação entre Memória, Ideologia e Consciência de Classe

Alexandre de Jesus Santos

Cláudio Eduardo Félix dos Santos

 

Rimas Vermelhas: raça, classe e periferia no Rap maranhense do início do século XXI

Antônio Ailton Penha Ribeiro

 

A Interseccionalidade como Estratégia de Mobilização: a imbricação das relações sociais de gênero, raça e classe na luta das trabalhadoras domésticas no Brasil

Louisa Acciari

 

Parte 3 – Hegemonia e Revolução e

Contrarrevolução: as Lutas em Curso

 

O SEBRAE como Ferramenta Ideológica: breves apontamentos

Felipe da Silva Duque

 

Os Rumos da Educação em Questão: da “hegemonia às avessas” à crise de hegemonia

Zuleide S. Silveira

 

A Revolução no Brasil – Florestan Fernandes e a Crítica ao Etapismo

Luiz Claudio Duarte

 

Sobre os autores