Estética, literatura e formação humana: um diálogo entre Honoré de Balzac e György Lukács

Lenha Diógenes

Preço normal R$ 40,00

O livro reúne a literatura de Honoré de Balzac, a estética e a crítica literária de György Lukács, bem como a necessidade de emancipação humana de todos nós.

Lenha Diógenes é audaciosa em decifrar as obras de Balzac e em mergulhar em seu modo de vida.

É astuta em desvelar o espírito crítico de Lukács pelos muitos dias e fatos históricos que o esteta viveu. Em sua obra, aparece uma trilogia: literatura, estética e formação humana, sempre associada à defesa do conhecimento literário a serviço dos trabalhadores.

Aqui o romance balzaquiano, como expressão do mundo, é posto numa dialética, ao mesmo tempo elevado e decaído, cheio de esperanças e já decepcionado, pleno de bom gosto e prosaico, obscuro e criativo.

A autora observa esse universo social detalhado sob as luzes reveladoras da ontologia e da estética lukacsiana, desvelando a dimensão da arte como autoconsciência da humanidade.

A confluência de realismo e estética, literatura e emancipação humana torna esse livro em uma das melhores expressões de crítica literária, revelando um contributo ao projeto revolucionário para nossa realidade social interditada, vendo os dias atuais como eterna possibilidade, uma mudança estrutural nunca realizada.

Jackline Rabelo

 

[334] páginas

 

SUMÁRIO

Prefácio

Primeiras Palavras

 

Capítulo 1 - Ontologia e Estética: a arte como autoconsciência da humanidade

1.1 O percurso intelectual de György Lukács e a recuperação da ontologia marxiana

1.2 Os fundamentos ontológicos da arte na estética marxista-lukacsiana

1.3 A defesa do realismo em Lukács: trabalho e cotidiano como eixos estruturantes da estética

 

Capítulo 2 – Literatura e Realismo: o reflexo estético da realidade

2.1 Lukács e o realismo: uma polêmica de natureza estética

2.2 Singular, particular e universal em Lukács: subsídios filosóficos para um estudo da tipicidade e do método narrativo

2.3 O romance como epopeia do mundo burguês segundo György Lukács

 

Capítulo 3 – A Potência da  Emancipação Humana na Literatura Realista: o típico nas obras de Honoré de Balzac

3.1 Honoré de Balzac, sua obra e o mundo

3.2 A situação dos trabalhadores no contexto da comédia humana

3.3 A formação da autoconsciência pela literatura

 

Reflexões Finais

Posfácio

Referências

Sobre a Autora

 

A peleja de Lenha Aparecida rumo ao doutorado

ou

Balzac e Lukács – um casamento esperado

Uma ode à Lenha Diógenes